Então, você quer trabalhar numa agência de fora…

by Zeh on October 10, 2009

Ao contrário do que muita gente pensa, ir trabalhar numa agência de fora do país não é nenhum bicho de sete cabeças.

Talvez eu tenha dado um pouco de sorte, porque quando vim pra cá, já tinha uma boa experiência depois de trabalhar com o mesmo pessoal durante dois anos, e já tinha vários outros amigos que tinham me dado uma boa noção do que esperar, então não acho que fui pego de surpresa em relação às coisas mais importantes. Mas, considerando que muita gente me pergunta sempre sobre o mesmo assunto, aqui vai um apanhado de coisas que aprendi de um jeito ou de outro sobre a experiência específica de se transplantar pra uma agência ou um estúdio interativo fora das terras de Cabral, em especial nos Estados Unidos; imagino que possa ser útil pra quem esteja contemplando esse passo no futuro.

Contratar gente de fora é coisa normal. Boa parte das agências faz isso sem se preocupar. Isso se deve a uma combinação de vários fatores, mas gosto de acreditar que um dos principais seja o fato de que um ambiente mais rico em experiências tende a refletir positivamente no trabalho que é criado. Acho que na Firstborn, onde trabalho, metade dos funcionários é estrangeiro.

Da mesma forma, embora estejam sempre à espreita atrás dos melhores do mercado – coisa que só o mercado local não dá conta, daí a necessidade de se contratar gente de fora – é comum que agências contratem também funcionários mais juniores, ou interns – algo como um estágio – por um período menor de tempo. A Firstborn constantemente contrata caras de várias partes do mundo pra trabalhar aqui por 3 meses, muitas vezes estudantes universitários. Ou seja, as agências contratam gente de todo nível.

Agências são extremamente pragmáticas na hora de contratar. Isso quer dizer que elas levam em consideração tudo que é importante – em especial o portfólio de alguém – e nada mais. Aquela coisa do “quem indicou” é muito menor por aqui – a impressão é que eles querem evitar que alguém seja contratado só por ser conhecido de alguém (embora recomendações sejam bem aceitas, e às vezes até requisitadas). A título de ilustração, é normal a agência onde eu trabalho ter contactado ou entrevistado gente que eu conheço sem que eles tivessem me questionado sobre a pessoa, só o fazendo no final do processo; talvez eles temessem que eu levasse pro lado pessoal mais do que o profissional.

Ou seja, ter um camarada dentro de um lugar não quer dizer muita coisa, ou pelo menos, nem tanto quanto quer dizer no Brasil. Não existem muitos atalhos (e note que não estou dizendo que isso seja bom ou ruim).

O melhor método pra conseguir uma emprego é sempre ir no site das agências que estejam com vagas e mandar seus dados. Não tem magia nenhuma envolvida.

O motivo de contratar estrangeiros não é mão-de-obra-barata. Embora isso talvez seja verdade em outros setores da indústria, a verdade é que contratar estrangeiros é mais chato e mais caro (em alguns casos, muito mais caro e muito mais chato) do que contratar algum nativo. É algo que é feito com base nos méritos profissionais de cada indivíduo, não na sua capacidade de aceitar salários mais baixos.

Salários são sempre declarados pelo valor anual. O salário nunca é descrito pelo seu valor mensal, como no Brasil. Então, quando você estiver pra aceitar uma oferta, lembre-se de que pra sacar direito o quanto isso representa, é necessário dividir por 12; se você vir alguma oferta de emprego que oferece, digamos, $50k (50,000), isso significa um salário mensal de $4166.

Os salários são sempre declarados em sua forma bruta, sem imposto. Da mesma forma, salários sempre são oferecidos e declarados em vagas sem o imposto ter sido contabilizado – e o imposto corta, em média, 30% do salário. No caso acima, dos $4166 mensais, uma boa parcela seria removida, chegando ao total de $2916 mensais que seriam então recebidos pelo empregado.

Ou seja, quando alguém lhe fizer uma oferta de emprego, calcule bem antes para não ter nenhuma surpresa. Isso não é feito imediatamente claro pelas empresas quando elas contratam algum estrangeiro, porque é algo muito óbvio para elas, mas fazemos a coisa de modo diferente no Brasil, diferenciando entre bruto e líquido com mais frequência (e na verdade, nosso imposto real é muito mais alto).

Não tem décimo-terceiro, um mês de férias remuneradas, nem nada disso. Os benefícios variam de empresa pra empresa (em especial em relação a como as férias funcionam), e muitas até oferecem bônus durante o ano ou em seu final, mas no geral, vale lembrar que as regras trabalhistas fora do país não são as mesmas de dentro do Brasil.

O custo de vida aqui é muito mais alto, talvez em especial em Nova York. É comum alguém ver uma oferta de emprego e ficar excitado pelo valor oferecido – em dólares! – porque faz uma comparação com o mesmo valor no Brasil. A verdade é que algumas coisas são bem mais caras por aqui, em especial o aluguel: em Nova York, a média é gastar um terço do seu salário líquido com o aluguel. Ou seja, nunca julgue seu futuro salário sob o prisma do Brasil – você pode acabar recebendo uma merreca que mal dá para pagar as contas, enquanto achava que estaria fazendo rios de dinheiro.

Embora exista uma certa inversão desse fator – qualquer tipo de dispositivo eletrônico é, obviamente, muito mais barato aqui do que no Brasil – ele não é suficiente pra compensar a diferença a longo prazo.

Existem diferentes tipos de visto de trabalho, cada um com suas próprias vantagens e desvantagens em relação a tempo de duração, preços, tipo de trabalho, dificuldade em se obter, etc. Quando uma empresa vai contratar alguém, o visto faz certa diferença já que alguns vencem depois de um tempo e alguns dão um trabalhão para serem tirados. Só pra referência, pro meu visto, tive de passar uns 6 meses escrevendo textos (em paralelo com meu trabalho normal) numa rotina longa e chata que me deixou numa pilha de nervos eterna. O processo de aprovação mesmo levou 2 semanas, mas toda a preparação pode levar muito mais.

Além disso, nenhum é muito automático – é comum as pessoas acharem que só porque uma empresa quer contratar alguém, o visto é “mais fácil”. Não é bem por aí – na verdade, o fato de uma empresa requerer seu visto é, salvo raras exceções, o mínimo requerimento necessário pra começar o processo.

Da mesma forma, visto de trabalho é visto de trabalho. Não é cidadania, não é greencard, não é nada disso – é só um sinal de que o governo Norte-Americano deu a um estrangeiro a permissão de trabalhar pra uma empresa durante um certo tempo. Assim, seu visto de trabalho está vinculado à empresa que te contratou: se você se demitir, tem de sair do país, e se você quiser mudar de emprego, a nova empresa precisa requerer um novo visto (ou transferir o anterior, dependendo do tipo). Além disso, embora portadores de visto de trabalho estejam tão dentro da lei quanto possível, e tenham Social Security Number (uma espécie de CPF nos Estados Unidos), eles não são cidadãos ou imigrantes Norte-Americanos: não podem votar, por exemplo, e são obrigados a seguir algumas restrições adicionais de permanência e trânsito internacional.

Ou seja, embora alguns vistos de trabalho possam ser renovados indefinidamente, a permanência do portador do visto dentro do país é vista, antes de tudo, como temporária. Obviamente, outros países podem tratar a coisa de forma diferente, mas minha experiência é limitada aos Estados Unidos.

Ninguém vai ficar dando assistenciazinha quando você chega de fora. Lógico, a empresa geralmente tá preparada pra ajudar com indicações de corretores, hotéis e coisas assim quando alguém chega de fora da cidade ou do país, e é comum ter um pequeno bônus pra ajudar no custo da mudança. Mas ninguém vai ficar alugando casa ou comprando móveis pra recém-contratados – isso é uma coisa mais pessoal e espera-se que as próprias pessoas façam isso. Pra quem vem de fora, é uma boa planejar com antecedência como a coisa acontecerá, ao invés de ficar esperando alguém levar pela mão e ser surpreendido ao invés.

E finalmente, vale mais a pena pela experiência do que por qualquer outra coisa. Pra quem quiser fazer dinheiro fácil, é mais prático e lucrativo trabalhar remotamente – ou seja, do Brasil para alguma agência nos Estados Unidos ou em outro lugar. Mas, para quem quer aprender, e ter uma boa dose de uma experiência meio diferente, é uma experiência fantástica e bastante recompensadora.

  • Zeh

    Escrevo mais sobre as diferenças entre agências e métodos de trabalho no futuro. Esta é específica sobre a parte de contratação e coisa que estava pra escrever há tempos.

    E notem que obviamente só posso falar sobre minha própria experiência (de uns 4 meses em NY) e sobre outras poucas coisas que ouvi de amigos. Pode ter uma certa variação de agência pra agência, então não considerem meu ponto de vista a verdade universal.

  • Adorei. MUITO esclarecedor, Zé! ;)

  • ju

    zee!
    amei o post!
    saudade!
    bj.

  • Ana

    Boa, Zeh!

  • Marcelo

    C’est la vie !
    A melhor coisa é aprender na pele. Se houver a oportunidade, faça, mesmo que não seja as mil maravilhas, mas vc vai aprender algo novo e vai levar sempre com você na vida.

  • Rafael Lima

    Boas dicas!
    Na espera do próximo post sobre.

  • Fala seu Zeh!

    Que maravilha esse texto, dá até vontade de procurar um emprego fora… tudo tão estranho e revelador!

    Ano que vem tô pensando seriamente em visitar NY pra conhecer as produções artísticas… tô querendo mostrar meu trabalho mais pra fora… vamos ver no que dá.

    Abraços e obrigado pelas palavras!

  • Muito bom o texto Zeh.
    Deu uma noção muito maior, para quem tem interesse de ir para fora!

    Parabens pelo post!

  • Pingback: Tweets that mention pessoal.zehfernando.com » Arquivo » Então, você quer trabalhar numa agência de fora… -- Topsy.com()

  • Zeh

    Leitura relacionada interessante, mais voltada pra agências mas que interessa a quem está atrás de um trampo legal já que explica como as agências buscam profissionais:

    Where to Find Tech-Focused Advertising Talent
    With Branded Apps Gaining Ground, Five Spots to Look for Creative Technologists
    http://adage.com/talentworks/article?article_id=139604

  • Esse post foi bacaninha hein zeh, e, de certo modo esclarecedor também! hehehehe
    Algumas coisas fazem mto sentido, nunca tinha pensado em custo de vida, moradia e tals!

  • Zeh!!!, como esta? Vejo que desbravando bem a NY junlgle.
    Do caralho seu blog pessoal, acho foda acompanhar seus posts cada vez mais competentes.
    Bota mais, porra.. abç

    Teco

  • Juliana

    Oi
    Amei seu post.
    Trablho na Ogilvy em SP e minha meta esse ano é ir trabalhar em alguma agência fora, o grande problema é que sou mídia e fora do brasil as maiorias agências contratam biro.
    Bjss