Cervejas de Nova York

by Zeh on November 2, 2009

Antes de me mudar para a terra imperial, uma das coisas que sempre me intrigaram eram as cervejas da cidade. Eu sempre via amigos que moravam nos Estados Unidos discutindo suas cervejas preferidas de forma ferrenha, como quem discute um jogo do time de futebol do coração (ou uma marca de vinho, dependendo do seu contexto social).

Sempre achei aquilo uma tremenda babaquice, simplesmente porque, na minha opinião, todas as cervejas sempre tiveram o mesmo gosto. Legal pra refrescar e tal, comer com um churrasco, mas só. No entanto, como não podia beber com eles pra saber se aquelas discussões realmente tinham cabimento, acabava relevando e evitando assumir um lado na discussão. De repente era algo do clima que fazia as cervejas terem sabor diferente, sei lá.

Foi só quando cheguei aqui que saquei o que eles queriam dizer. Não era nada a ver com o clima – na verdade, o lance todo das cervejas por aqui é uma questão de contraste.

Isso quer dizer que aqui tem uma diferença muito maior – de sabor, ingredientes, viscosidade, seja o que for – entre as cervejas encontradas. Mais do que isso: ao invés do mercado ser dominado por duas ou três marcas principais, como acontece em São Paulo, o que você encontra são dúzias de marcas diferentes que são vendidas normalmente. Você vai num mercadinho qualquer e já acha uma dúzia de marcas de cerveja diferente. Vai numa loja especializada, e acha centenas (sem exagero).

Sabe aquela coisa que alguns bares em São Paulo têm, de oferecer só cerveja de uma mesma marca, devido a alguma parceria do estabelecimento com o fornecedor? Aqui, seria impensável. Até existe aquela coisa dos bares terem só umas 6 ou 7 cervejas específicas, mas é mais pela logística da coisa.

Devido a isso, posso dizer hoje que comecei a gostar de verdade de cerveja. Não é aquela coisa de tomar pra refrescar, mas sim de tomar porque o sabor é bom e tomar cerveja na janta. A ponto de eu até ter um ranking pessoal de marcas – algo mais ou menos assim:

  1. Murphy’s Ale (draught, encontrado no Murphy & Gonzalez)
  2. Red Stripe
  3. Yuengling – Traditional Lager
  4. Samuel Adams – Summer Ale
  5. Corona
  6. Stella Artois
  7. Todo o resto

Enfim, sempre vai ter uma cerveja que você gosta mais. Tem cerveja pra todos os gostos, tenho certeza – meu ranking pessoal coincide pouco com o de meus amigos.

Outra parte engraçada é que praticamente não existe distinção entre cervejas nacionais, importadas, ou extremamente locais (de cervejarias de bairro) por aqui. Todas competem pelo mesmo espaço da mesma forma e com aproximadamente o mesmo preço. Sabe aquela coisa da propaganda da gostosa na praia fazendo de conta que bebe cerveja? Também impensável. Até existem propagandas na TV, mas comparativamente, a presença das grandes marcas tipo Budweiser parece ser minúscula no mercado de Nova York.

Quando eu voltar pra São Paulo, tenho certeza de que uma das coisas que mais vou ter problemas pra me re-adaptar é na hora de tomar cerveja. Talvez eu esteja sendo muito maldoso, ou talvez meu gosto que tenha sido prejudicado por algum vírus implantado pelo governo Norte-Americano, mas hoje posso dizer que as cervejas brasileiras parecem uma piada comparadas às que são encontradas por aqui.

  • Hiro Kozaka

    Aqui na Terra da Rainha cerveja e’ o que nao falta. Diferente dos EUA onde as lagger sao mais comuns, as Ales e cervejas mais encorpadas imperam.
    Um habito que eu acabei pegando foi beber o famoso pint que sao 568 ml, ou seja, mais de meio litro de cerveja por copo. Toda ves que vou ao Brasil e peco uma tulipa de chopp, chega aquele copo de 300 ml com uma cerveja rala e aguada. Bebo facil umas 4 tulipas so’ para esquentar.
    Uma coisa bacana dos EUA sao as micro-breweries. Muita cerveja artesanal e bacana para se provar, especialmente em NYC. Da’ uma procurada.
    Se voce gostar de refriegentes, recomendo dar uma olhada no mini-doc deste link. Sao apenas 12 minutos sobre uma loja em LA que vende absolutamente qualquer tipo de soda. Inclusive Guarana Antartica…

    http://www.chow.com/stories/11802

  • Rafael Ottati

    Opa! :) Cheguei aqui por um outro website e acabei ficando. :) Este link das cervejas é interessantíssimo, mas gostaria de dizer algo sobre o assunta.
    Embora pelo visto por ai as cervejas sejam FACILMENTE vendidas, aqui no Brasil (eu moro no RJ), estão começando a ser encontráveis as cervejas de tipos diferentes. A Bohemia, por exemplo, lançou duas novas cervejas: a de trigo (Weisz) e a artesanal (Confraria).
    E a Stella Artois, que você lista, é engarrafada pela Ambev, além de termos a Heinekken em mercados até simples.
    Por fim, em diversos bairros, encontram-se as chamadas “Cervejas Importadas”: coisas da Bélgica, Alemanha (como a Paulaner, fenomenal!!!!! Principalmente, a de trigo) entre outrso lugares por um preço razoavelmente acessível.
    Abraços!

  • Daniel Mariz

    Bacana o post sobre cerveja, eu nunca gostei de beber cerveja, na verdade durante muitos anos eu não consumia qualquer tipo de bebida alcoólica, mas ae vem fim de faculdade término de namoro e coisas que fazem agente (eu) buscar algum refúgio em alguma coisa pra relaxar, como não tenho coragem ainda de comprar um video game foda ou outra coisa que me faça perder horas que ainda não posso desperdiçar (sou muito indisciplinado com tempo) ae acabei descarregando as energias nas baladas com os amigos.
    Uma coisa que aprendi foi gostar de cerveja, principalmente com um amigo cervejeiro (http://www.brejas.com.br/cervejas/brasil/vila-esb-odete-roitman/) que produz a incrível vilã, mas não to falando dessas águas de batata engarrafadas pela ambev e talz, aprendi a apreciar um bela cerveja artesanal mesmo que esse rótulo ja seja produzido em escala mundial, mas mesmo assim não perdeu o espírito de ser cuidada desde o berço.
    Das que vc citou eu conheço a Corona mexicana muito boa e a Estella que ja não curto muito (fujo de pilsen) mas o bom de apreciar essas bebidas é que nelas vc encontra sabores únicos que não encontrará em outra o que é muito diferente de tomar uma skol, kaiser e brahma pq no fundo todas são iguais e ruim, quer a prova? beba elas quente.
    Uma boa cerveja não precisa ser servida estúpidamente gelada como exemplo a inglesa fullers london pride (http://www.fullers.co.uk/rte.asp?id=47) ou uma excelente Baden Baden Red Ale (http://www.badenbaden.com.br/) ambas servidas a meia temperatura (10ºC) com uma boa carne ja tem um sabor espetacular.
    Mas com isso tudo aprendi a apreciar uma boa cerveja e descobri q não diferente de outros lugares o Brasil tbm possuí marcas muito boas que ficam escondidas no fundo de casas de vinho ou em cardápios de bares que não se preocupam com a qualidade do que oferecem e sim com quantidade consumida.
    Ficam minhas dicas:

    -Baden Baden Red Ale (http://www.badenbaden.com.br/)
    -Colorado Indica (http://www.cervejariacolorado.com.br/)
    -Vilã (http://www.acervamineira.blogspot.com/)

    Mas nunca uma pilsen vagabunda que só serve pra deixar bebado e o churrasco ficar barato.

    ps mas não abro mão da tequila com cointreal (margarita) e do sr. Jack Daniel’s hahaha

  • Corona é demais =)
    Tem uma mexicana que é boa também Dos Equis tem um XX na frente.

  • Zeh

    Hoje acho Corona só OK. Negra Modelo é a minha preferida mexicana, e uma das minhas top.